A segurança de fazer intercâmbio com uma agência confiável

Gostaria de deixar aqui o relato da minha experiência aos futuros intercambistas. Espero que ajude a esclarecer alguns pontos. Lá vai!

Foto 1
Para iniciar um intercâmbio, sempre temos aquelas dúvidas, tais como para onde ir, quanto pagar, como viver durante o período de intercâmbio, preços, como são os costumes do lugar, quais os passos pré e pós embarque. Decidi vir para Dublin e então comecei a pesquisar agências para me auxiliar na minha mais nova e importante empreitada e encontrei então a MD4S.
A Carolina Ojeda e o Victor Lorasque foram minha linha direta, inicialmente através de e-mails e pela internet tive todo o auxílio necessário para escolher a escola, sempre tendo grande riqueza de detalhes e respostas para todas as dúvidas. Esta é uma fase muito importante e a partir daqui pude adequar meu orçamento e planejar a minha estratégia para viver o intercâmbio. A MD4S me ajudou muito a  enxergar com mais clareza e confiança a realidade dos custos. Fechamos tudo por e-mail. Foi a minha primeira experiência com este tipo de canal online e tive êxito tanto nos pagamentos quanto nos recibos e documentos da escola para comprovar minha situação de estudante na imigração do aeroporto.

Foto 2
Planejar é fundamental além de estar a par de todas as regras locais para trabalho com visto de estudante e ter a ciência de que devemos ter um bom controle sobre gastos com diversão, uma vez que, inevitavelmente, ao chegar em Dublin é comum querermos conhecer tudo e ir a todos os lugares. Recomendo sempre trazer além dos € 3,000 uma grana a mais para o período em que a documentação fica pronta, prazo este que leva em média um mês. Durante este período, para se manter aqui, seria legal trazer pelo menos mais uns € 700.
Visitei depois a filial da MD4S em São Paulo e conheci pessoalmente a Carol e o Victor. Batemos um papo muito bom e eles prontamente me tiraram mais dúvidas e também me ajudaram a lidar com a ansiedade que nos toma conta neste período pré-embarque. Pude constatar pessoalmente neste momento todo o profissionalismo e preocupação da agência em nos auxiliar de forma coerente, direta e muito amigável em relação aos passos pré-embarque, fator muito importante pra mim, marinheiro de primeira viagem deste tipo, apesar de ter assistido muitos vídeos na internet. Conversamos sobre tudo, desde o que levar nas malas, como lidar com o frio irlandês, até sobre o quesito de procurar emprego. Eles moraram aqui ano passado e possuem informações valiosas e precisas, o que me confortou bastante no pré-embarque.

Foto 3
Chegado o dia, 05/05/2015, embarquei para Dublin. Me acomodei no Jacobs Inn hostel e logo no primeiro dia fiz uso do meu seguro internacional, pois sofri dores agudas de cólica renal e descobri que tinha três pedras nos rins. Eu não tive tempo sequer de comunicá-los sobre minha chegada e no meio da madrugada fui parar no hospital. A importância de ter o seguro internacional é que a minha consulta no hospital deu cerca de € 400 e o seguro cobriu esse custo e me orientou para onde ir.
À noite, depois de medicado, finalmente falei com o representante da MD4S aqui em Dublin, quem gentilmente foi até o hostel, bateu um papo comigo e me deixou mais tranquilo. Ele me passou seu contato e se colocou disponível para me auxiliar caso eu precisasse de algo. Além disso, ele me convidou para conhecer, no dia seguinte, a matriz da MD4S que fica aqui mesmo em Dublin, onde ele me deu mais informações valiosas sobre a cidade e pude conhecer o resto do pessoal da agência.
Pessoalmente senti a necessidade de me instalar numa casa e sair do hostel, até para poder repousar mais tranquilamente nesse período de recuperação onde estava sendo medicado. Foi dado início à procura da minha primeira acomodação fixa, onde novamente a MD4S me auxiliou. Agradecimento especial para o Victor Lorasque que nesse período sempre me marcava nas oportunidades dos grupos de classificados do Facebook, de forma que em dois dias, no meu quinto dia em Dublin, eu já tinha escolhido uma residência e me mudado.
Os primeiros dias aqui são uma loucura. Cheguei no início do verão e a temperatura estava agradável, entre 15 e 17 graus. A noite começava às 23h neste período do ano, quando os dias são mais longos e tem um clima bem parecido com o da cidade de São Paulo. Eu vim sozinho e faz parte do processo fazer contatos com a galera que naturalmente se tornam seus amigos aqui. Dublin é uma cidade globalizada, gente de todo o mundo e neste quesito tive a sorte de só encontrar pessoas que me acrescentaram muito e me ajudaram bastante, desde aquela forcinha psicológica por estar sentindo fortes cólicas renais quanto pela saudade da família que nesse momento foi muito grande! rsrsrs
Esse período inicial pede muito controle financeiro também. Não é incomum ouvir histórias de pessoas que chegam aqui com o valor exato para tirar o visto estudantil e em três meses já tinham torrado todo o orçamento, se complicando muito para se manter aqui pois ainda não tinham sequer começado a procurar emprego. Tenha sempre muito controle e tente ao máximo seguir o planejado, se o orçamento for curto. De fato, Dublin é uma cidade que oferece muitos programas gratuitos como parques e museus, mas a vida norturna aqui tem todo um charme que nos convida sempre a querer explorar mais um cantinho da cidade.
Além das aulas de inglês que faço na Delfin, e recomendo muito a escola, faço também espanhol na Charpterhouse, mais um ponto positivo para a MD4S que nos oferece gratuitamente essa oportunidade, independente de qual escola de inglês você se matricular. Esta é uma forma de ampliarmos muito nossa rede de contatos e uma terceira língua mais familiar à nossa nos coloca em contato com mais pessoas que vivem aqui. Vale muito a pena para quem quer absorver a cultura e todas as nuances de Dublin.
Viver no centro da capital irlandesa é conhecer gente do mundo todo, inclusive brasileiros, pois aqui se concentram as escolas. Vejo pontos positivos e negativos nisso. Para aprender inglês, o ideal é viver a língua em tempo integral, o que não é tão fácil quando se mora com brasileiros. Por outro lado, os brasileiros se ajudam muito, tanto em relação à moradia quanto com indicações de emprego. E no meu segundo mês na terra dos Leprechauns, pude fazer o meu primeiro freelance de kitchen porter, graças a uma indicação.

Foto 4
Os dias vão passando, você vai se estabilizando, vai se acostumando a falar com a família e amigos pela internet e aí você vai se sentindo em casa. Sou de São Paulo e ando por aqui tranquilamente, sem sentir medo. Me previno da melhor forma, evitando andar sozinho pela madrugada ou carregar grandes valores comigo por aí. Dicas que valem para qualquer lugar do mundo. Não dá para comparar o nível de violência da minha cidade (e muito amada São Paulo) com Dublin e, de fato, nestes dois meses eu não tive nenhuma experiência ruim por aqui, mas sempre tomando medidas básicas de segurança pessoal.
E vou seguindo minha jornada por aqui, acompanhando todas as transformações sociais, comportamentais e culturais que esta incrível cidade vem passando, enquanto planejo os próximos passos do intercâmbio. Chegar aqui com um bom planejamento e o auxílio da equipe da MD4S com certeza me ajudou a realizar o desejado intercâmbio, este que sempre foi um sonho, como naturalmente novos sonhos continuam a surgir a cada conquista alcançada.
Um agradecimento especial aos meus amigos da equipe MD4S, por todo o profissionalismo, parceria, paciência, tranquilidade e zelo.
Desejo a vocês muito sucesso!

Guilherme Ghelfi.

Encarar ou não o “subemprego”?

Antes de responder a essa pergunta, que tal uma reflexão?

Você gostaria de voltar para o Brasil só por não ter conseguido o emprego dos sonhos na Irlanda e abandonar a oportunidade de viver, estudar, passear e conhecer pessoas do mundo inteiro em lugares que você nunca imaginou estar antes?
Foto 1
Baseado nisso é que afirmamos com convicção que apelar para um subemprego não é nada ruim, que não há nada de errado nessa escolha, desde que este subemprego não afete a sua saúde, é claro.
Devemos lembrar que empregos como ajudante de cozinha, babá, faxineiro, entregador de jornal, plaqueiro etc., são funções que existem em grande quantidade no Brasil como em qualquer lugar do mundo. Por serem funções tão comuns e necessárias, você não deve se sentir inferiorizado por aceitar uma dessas posições.
Trabalhar nesses “subempregos” para se manter no exterior é uma realidade muito mais comum do que se pensa quando falamos de programas de intercâmbio, não só aqui na Irlanda, mas em qualquer outro país.
São nesses subempregos que você vive a rotina de um restaurante, de uma casa de família, conhece os costumes locais, as regulamentações e práticas utilizadas, fatores que são fundamentais para a sua vivência no exterior e que agregarão valor considerável ao seu currículo.
Encare como uma experiência temporária
Subemprego, segundo o dicionário, é a ação e o efeito de subempregar. Este verbo significa empregar alguém num posto inferior àquele que lhe corresponderia tendo em conta as suas qualificações.
Uma vez dada essa definição, que muitos julgavam errônea e popular, é importante compreender que os subempregos acabam acontecendo por períodos temporários, como é o caso do intercâmbio.  Desta forma, entender que você não atuará naquela posição pela vida toda facilitará — e muito — a forma com que você lidará com a situação, pois terá a certeza de que aquilo terá fim. Aliás, se fosse uma experiência tão ruim não existiriam tantos estudantes renovando ano após ano.
Além disso, o trabalho informal é a realidade da maioria dos intercambistas que decidem se aventurar pelo mundo, uma vez que a barreira linguística precisa ser superada para que seja possível, então, almejar oportunidades melhores. No final das contas, estamos todos no mesmo barco: estudantes vivendo em país estrangeiro, com regras a cumprir — especialmente aquela que limita as horas de trabalho a 20 semanais durante o período de aulas.
Que tal adotar o pensamento de que o subemprego “faz parte” da experiência?
Um dos aspectos mais interessantes da vida dos intercambistas é justamente o fato de viverem de forma totalmente inusitada e diferente da que se tinha no Brasil. É  aí que aprendemos a valorizar coisas que a gente nem dava conta quando estávamos no conforto do nosso país, circundado de amigos e caras conhecidas falando a nossa língua materna.
Lembre-se porque você chegou aqui
Nem sempre é fácil!
Nos primeiros três dias de emprego o Victor quase desistiu. O primeiro pensamento dele era o de que era “complicado estudar cinco anos de engenharia no Brasil e acabar lavando louça em outro país”. Passado um tempo, ele percebeu que isso fazia parte da escolha de fazer um intercâmbio. Se você perguntar se ele gostava do trabalho, a resposta será negativa. Entretanto, sem qualquer sombra de dúvidas, afirmamos que a experiência é única!

Tamanha era a nossa vontade de guardar dinheiro para viajar que, mesmo tendo um emprego pesado no restaurante, o Victor passou a entregar comida à noite com a bicicleta dele. E é nessas horas que você mede o seu esforço quando tem um propósito, pois vê exatamente o que é capaz de fazer a fim de atingi-lo. Todavia, esta é uma questão bastante subjetiva, pois cada um sabe qual é a própria necessidade e tem consciência de quanto esforço é capaz de fazer para alcançar os seus objetivos.
Lembra-se da parte do temporário?
Pois é… A vaga que o Victor conseguiu no restaurante, cujas tarefas eram pesadas o bastante, e muito abaixo das expectativas dele, pode não ser a ideal, mas proporcionou ao Victor a evolução do inglês básico para o fluente, fizemos aquele mochilão dos sonhos, conhecendo 12 países europeus ao longo dos nossos 12 meses na Irlanda, além de ter possibilitado uma “pesada” bagagem cultural e um amadurecimento emocional — e de vida — que ele jamais teria alcançado no conforto do seu trabalho promissor no Brasil.
Nossa dica é: mantenha sempre em mente o que te trouxe para o intercâmbio. Sejam quais forem os seus objetivos, você enfrentará desafios, e o subemprego é apenas um deles.
Encare a realidade
É muito comum as pessoas virem para a Irlanda com o sonho de fazer um belo “pé de meia” para voltar muito bem para o Brasil. O problema é que as pessoas parecem se esquecer de encarar a realidade, que não é tão fácil como parece. Empregos não caem do céu na Irlanda e nem na China!
Eu, Carolina, trabalhei em um escritório, assim como trabalhava no Brasil, mas ocupando um cargo consideravelmente mais baixo. Ainda assim, não era paga nem um centavo a mais, por hora, que o Victor, que trabalha em um restaurante. Não me importava em trabalhar como assistente administrativo/financeiro na Irlanda após ter saído de um emprego de coordenadora de importação no Brasil. O meu intuito, assim como o da maioria dos estudantes brasileiros, era realizar uma imersão cultural e aprimorar o inglês. Eu não viraria as costas por oportunidades inferiores às que eu tinha no Brasil por simples capricho.

Foto 3

Não é à toa que o fato de ter realizado um intercâmbio aumenta — e muito — as suas chances de abocanhar uma boa vaga no Brasil, pois além da questão idioma, os entrevistadores sabem muito bem que uma experiência no exterior proporciona uma bagagem valiosa, que inclui, entre outras coisas, uma visão mais apurada e complexa de mundo, flexibilidade para lidar com adversidades e outros tantos fatores que você aprenderá “na marra” ao estar em um país completamente diferente do seu.
Por isso, a dica é que você agarre a oportunidade que aparecer, pois emprego está difícil em todo lugar e o intercâmbio não durará a vida toda, mas o suficiente para que, lá na frente, além da bagagem, você tenha muita história para contar, geralmente com situações muito desafiadoras e muitos relatos de superação.

Este artigo também está disponível no portal do e-Dublin através deste link aqui.
Se você quiser entrar em contato com a Carolina Ojeda e o Victor Lorasque para informações e cotações de intercâmbio, envie um e-mail para agência MD4S de São Paulo e agende a sua visita: saopaulo@md4s.org

5 Aplicativos Para Praticar Inglês No Celular

blog_titulo_apps

Você é daqueles que odeia ficar dentro do ônibus, enquanto o trânsito anda a passos de tartaruga? Ou as vezes tem que levar a sua namorada na Penneys e esperar até ela escolher uma peça de roupa, o que geralmente leva umas duas horas? Saiba que essas horas podem ser mais produtivas pra você e que durante o seu intercâmbio cada minuto vivido deve trazer a você algum conhecimento.

Se tem uma coisa que não conseguimos sair de casa sem levar conosco, essa coisa é o celular. As vezes saímos sem sapatos, sem uma blusa de frio, durante a madrugadas corremos no Spar ou no Centra pra comprar uma pizza e não nos importamos de sair na rua de pijama. Mas pode ter certeza que o celular vai estar sempre no bolso, pois sem ele nos sentimos pelados. Pensando nisso, porque não aproveitarmos os minutos de espera do dia-a-dia, as horas de insônia, ou até mesmo a pausa diária para o número dois praticando inglês? :)

Confira alguns aplicativos mobiles que irão te ajudar a dar um up no inglês enquanto passa o tempo. São testes, jogos e conteúdo para leitura que valem a pena carregar conosco!

 

LEARNENGLISH GRAMMAR

O primeiro app da nossa lista é indispensável. Ele traz diversos testes divididos em níveis de inglês pra você praticar. São exercícios de completar, formar frases, tradução de textos e muito mais. A versão gratuita pode ser baixada nos links abaixo:

 app-play-storeapp-ios-store

 

app-win-phone

DICTIONARY.COM

Um excelente e completíssimo dicionário para nos ajudar nas horas mais difíceis. Com uma grande variedade de palavras, oferece definições, sinônimos, antônimos, expressões idiomáticas, função para ouvir a palavra buscada e muito mais! Infelizmente a versão para Android é paga (1,47 EUR) mas as versões para iPhone e Windows Phone são gratuitas. Você pode baixar o DICTIONARY.COM nos links abaixo:

app-play-storeapp-ios-store

 

app-win-phone

 

 

WORDS WITH FRIENDS

Esse é um joguinho divertido. No começo pode não parecer tanto, mas depois que você pegar o jeito, se tornará viciante. Você deve formar palavras com as letras que você possui. É mais ou menos como aquele “palavras cruzadas” americano. Você pode disputar contra oponentes aleatórios ou ate mesmo seus amigos do Facebook. O App está disponível atualmente para Android e iOS.

app-play-storeapp-ios-store

 

 

 

DUOLINGO

O Duolingo já é bastante conhecido dos estudantes de inglês. O serviço online conta também com um excelente aplicativo mobile para te ajudar quando você estiver longe do computador. Um dos sistemas de aprendizado de inglês mais completos do mercado. Vale a pena baixar!

app-play-storeapp-ios-store

 

 

 

BABBEL – APRENDA IDIOMAS

Aqui temos um forte concorrente para o Duolingo. O Babbel também oferece serviços online através do seu website, além de contar com um ótimo app mobile. Com ele você poderá realizar testes que irão desafiar os seus conhecimentos, além de poder compartilhar seu progresso com os seus amigos. Para baixar o Babbel no seu smartphone, é só acessar os links abaixo:

app-play-storeapp-ios-store

 

 

 

Você conhece mais algum aplicativo e gostaria de compartilhar conosco? Então, deixe um comentário aí! 😉

 

Encontrou algum erro ou gostaria de acrescentar alguma informação importante à este post?! Envie suas sugestões para contato@dublinaquivoueu.com

Fazendo as Malas – Level PRO

blog_titulo_mala

Se você não sabe fazer suas malas, não sabe dobrar uma camiseta ou uma calça, não se preocupe! Isso não vai impedir você de vir para a Irlanda. Separar as roupas que vai trazer é a parte mais complicada. Nem sempre há espaço para aquela camiseta que você gosta mas não sabe se vai usar, ou aquela calça extra que você gostaria de trazer, porém, depois de assistir os vídeos a seguir talvez isso tudo fique diferente.

Hoje você vai aprender a fazer suas malas como um soldado do exército. Parece estranho, mas você já reparou, pelo menos em filmes, como eles vão para as guerras com uma simples mala e conseguem levar tanta coisa? O segredo é economizar espaço enrolando todas as peças de roupas, mas não é simplesmente enrolar como você provavelmente já faz.

Bom… assista, faça o teste e depois volte para comentar se você conseguiu!

 

Encontrou algum erro ou gostaria de acrescentar alguma informação importante à este post?! Envie suas sugestões para contato@dublinaquivoueu.com

6 Paraísos Naturais na Suíça

blog_titulo_suica

No nosso último post falamos sobre alguns países que não são boas opções de destinos para conhecermos em 2014. Mas hoje, o assunto é completamente o diferente. Quer saber um bom destino para a sua viajem? Que tal a Suíça? :)
A Suíça é um país europeu com mais de 7 milhões de habitantes, alguns deles são receptivos e outros já são um pouco mais grosseiros, mas de modo geral, valorizam bastante a educação, são bastante patriotas e respeitam a própria cultura. A arquitetura é agradável aos turistas e as paisagens rendem sempre belas fotos.
O Dublin Aqui Vou Eu foi atrás e trouxemos pra você que é amante da natureza, sete lugares na Suíça que são verdadeiros paraísos naturais. Confira!

 

06 – Oeschinensee
O Oeschinensee é um lago em forma de ferradura situado em Bernese Oberland e considerado parte do Patrimônio Mundial da UNESCO. Apesar de pequeno, com pouco mais de 1km², o lago está cercado de belíssimas paisagens e localizado a 1578m de altitude. As águas de cor azul turquesa refletem perfeitamente os picos das montanhas que estão ao seu redor. A partir de Kanderstag, os visitantes podem fazer um passeio de teleférico até o lago e aproveitar para tirar fotos de todos os ângulos possíveis.
06

 

05 – Rhine Falls
Formada ainda na era do gelo há mais de 14 mil anos atrás, a Rhine Falls não formam apenas as maiores quedas d’agua da Suíça mas sim as as maiores cataratas da Europa com 150 metros de largura e 23 metros de altura. Durante a alta temporada de verão, as cataratas derrubam mais de 700 mil litros de água por segundo em toda sua extensão. Os visitantes podem fazer um passeio de barco que vai até uma ilha localizada no coração das quedas d’água e sentirem de perto o poder das “Cataratas do Reno”.
05

 

04 – Aletsch Glacier
A Aletsch Glacier está localizada ao leste do Bernese Alps. São 23km de comprimento e mais de 120km² de largura que compõe a maior geleira dos Alpes de toda a Europa. Na verdade, alguns cientistas afirmam que essa é a única geleira do mundo composta por aproximadamente 27 bilhões de toneladas de gelo. A única maneira de se ter uma visão bem próxima dela é em um teleférico com vista para o Bettmerhorn e Eggishorn.
04

 

03 – Matterhorn
Ocupando a fronteira entre a Suíça e a Itália, a Matterhorn ergue-se orgulhosamente como a montanha mais alta dos Alpes com 4.478 metros. Com formato de pirâmide, a montanha possui quatro faces direcionadas exatamente para os quatro pontos cardeais principais. As faces são tão íngremes que é possível enxergar as geleiras que se formam na base de cada pico incluindo a geleira de Zmutt, a oeste. A Matterhorn não se destaca apenas por ser enorme, mas também por estar completamente isolada de outras montanhas e isso a faz parecer ainda mais majestosa, com sua característica única que é o pico levemente torto. Os visitantes podem chegar até a Matterhorn pelo lado da Suíça em Zermatt ou pelo lado italiano em Breuil-Cervinia.
03

 

02 – Lauterbrunnen Valley
Aninhado entre paredes rochosas gigantescas e montanhas deslumbrantes, o Lauterbrunnen Valley é considerado o mais impressionante vale glacial nos Alpes. Embora tenha apenas 1km de largura e 3km de profundidade, seus penhascos possuem forma de U e o vale é quase totalmente plano. O Lauterbrunnen Valley é o lar de 72 quedas d’água, incluindo a famosa Staubbach Falls que é a maior cachoeira em queda livre da Europa com quase 300 metros de altura. Os visitantes podem ficar hospedados em charmosas pousadas localizadas dentro do vale e desfrutar da maior área de conservação ambiental de toda a Suíça.
02

 

01 – Lake Lucerne
Embora na Suíça existam mais de 1500 lagos dentro de suas fronteiras, o Lago de Lucerna oferece algumas das visitas mais pitorescas em torno do Monte Rigi e Monte Pilatus. Localmente conhecido como Vierwaldstättersee, é um destino muito escolhido pelos turistas nativos que querem explorar suas curvas complexas e seus braços em um barco. A partir da água, os visitantes podem aprecisar a vista deslumbrante de picos irregulares e uma visão tridimensional dos penhascos íngremes mergulhando nas águas azuis cintilantes. Acredita-se que a beleza inexplicável da luz da Lua tocando as mágicas águas do Lago de Lucerna é o que inspirou o nome da peça mais famosa de Beethoven chamada “Moonlight Sonata”.

01

 
 

Fonte: Escapehere

 
 
 

Encontrou algum erro ou gostaria de acrescentar alguma informação importante à este post?! Envie suas sugestões para contato@dublinaquivoueu.com

Um Bom Motivo Para Vir Pra Dublin

blog_titulo_VITOR

Recentemente, o missionário Vitor Rodrigues deu um show mostrando seu inglês muito bem “dizido” em uma mensagem direcionada aos Estados Unidos da América. Se você ainda está na dúvida se deve ou não fazer um intercâmbio e aprender inglês de uma vez por todas, talvez assistir esse vídeo pode te ajudar a decidir.

Habilite as legendas do Youtube pois as originais do vídeo não fazem muito sentido (rsrs), aumente o volume e deixe essa mensagem de Deus mudar a sua vida!

‘FOR THE TRUSTENG OF THE CHOSEN’

Check-in no Aeroporto

Decisão tomada, curso comprado, malas arrumadas e eis que chega o grande dia… O dia do embarque. Se for sua primeira viagem internacional mas não e sua primeira viagem aérea, não se preocupe pois o procedimento para realizar seu check-in no aeroporto e basicamente o mesmo. Mas antes de dar tchau ao seu cachorrinho e ir para o aeroporto, não se esqueça de verificar se tudo que você vai precisar está com você:

– Passaporte
– Reserva da Passagem Aérea
– Seu cartão pré-pago (VTM, Cash Passport, Global Travel…)
– Carta de Matricula da escola que você irá estudar
– Carta de Acomodação com endereço de onde você passará seus primeiros dias na Irlanda
– Algum valor em espécie para eventuais despesas

O melhor é chegar no aeroporto aproximadamente duas horas antes do seu horário de embarque, para que não haja problemas caso ocorram  pequenas alterações no horário do seu voo ou algum atraso na fila para despachar as malas. Quanto antes você fizer o check-in, melhor! Portanto, caso seja possível, faça o check-in antes mesmo de sair de casa através do site da empresa aérea pela qual você irá viajar, pois é simples e você ainda poderá escolher um assento bem localizado dentro da aeronave. Se a sua internet estiver com problemas, ou sua mãe estiver jogando Candy Crush no computador e você não puder fazer o check-in online, tudo bem. Vá para o aeroporto um pouco mais cedo e faça o check-in no balcão da companhia aérea ou nas máquinas como mostram as fotos abaixo. Os únicos documentos que você irá precisar é o comprovante da reserva das passagens e o seu passaporte.

 maquina checkin

checkinImagens de : http://mycherryworld.blogspot.ie/2011/06/o-voos-para-amsterdam-e-aeroporto.html

 

Quanto a sua bagagem, ela deverá ser despachada após o check-in. Atente-se ao peso de suas malas, pois geralmente são permitidas duas malas de 32kg cada. E caso você vá fazer uma conexão com uma empresa aérea europeia, verifique anteriormente as normas de bagagem pois poderá ocorrer variação quanto ao peso das malas por passageiro. Geralmente não há necessidade de você pegar suas bagagens na conexão e você irá revê-las apenas quando chegar a Irlanda, mas em todo caso, pergunte ao atendente da sua companhia aérea se você deverá fazer um novo check-in antes de pegar a sua conexão e se você deverá despachar as suas malas novamente.

 

 

Encontrou algum erro ou gostaria de acrescentar alguma informação importante à este post?! Envie suas sugestões para contato@dublinaquivoueu.com

O Cartão VTM

Então você decide fazer um intercâmbio na Irlanda. Comprou um curso, as passagens, e eis que surge a dúvida: Qual é a maneira mais segura de levar meus Euros? A resposta… O bom amigo Visa  Travel Money.

visa_travel_money3

Com esse cartão, você poderá recarregar fundos em Reais para sacar em Euros aqui na Irlanda. É simples assim. Você não paga nenhuma anuidade e ainda pode fazer compras normalmente com a função débito. É claro que como todo cartão de banco, há algumas taxas, mas vale a pena pagar pela segurança e praticidade.

O procedimento para recarga do cartão varia de acordo com a agência onde você obteve o seu. Para consultar onde você pode adquirir seu cartão, CLIQUE AQUI.

 Geralmente ouvimos falar somente do VTM (Visa Travel Money) que é um cartão com a bandeira VISA e oferecido por várias casas de câmbio e agências bancárias, porém, existem outros cartões que funcionam da mesma maneira e podem ser mais uteis pra você.

Apresentando… O American Express Global Travel

Um cartão com as mesmas funções do VTM e tão bem aceito quanto ele. A principal vantagem do American Express é que você pode recarregar seus créditos via Internet através do seu Internet Banking sem precisar que alguém tenha uma procuração para autorizá-lo a recarregar pra você ou preencher papéis e mais papéis para comprovação, além da taxa de câmbio ser ligeiramente inferior. Essa vantagem está disponível para correntistas do Banco Itaú e Bradesco. Se mais alguém utiliza o American Express de outras agências, por favor, comentem aí! =)

globaltravel-cards-3-curren

O uso desse tipo de cartão é extremamente recomendado, principalmente para quem deseja vir estudar na Irlanda por mais de três meses pois precisarão trazer os três mil euros para comprovação de renda e não é nada confortável sair por aí com todo esse dinheiro no bolso.

A maioria dos cartões (pra não dizer todos) cobram uma taxa por saque. Essa taxa geralmente é no valor de 2,50 e é cobrada na moeda do país onde você está fazendo o saque.

Caso você pretenda viajar pela Europa, fique tranquilo! Com o seu cartão pré-pago você poderá sacar dinheiro em qualquer lugar e a conversão do câmbio é feita automaticamente no momento do saque.

Existem outros cartões disponíveis no mercado. Se você utiliza algum outro e quer dar a sua opinião sobre ele, deixe um comentário. 😉

 

 

 

Encontrou algum erro ou gostaria de acrescentar alguma informação importante à este post?! Envie suas sugestões para contato@dublinaquivoueu.com

Solicitando a emissão do Passaporte

Para solicitar a emissão do seu Passaporte, você deverá preencher um formulário no site da Policia Federal. Preparamos um passo-a-passo pra você não der dúvidas na hora de preencher o seu, então, vamos lá! =)

 

1- Acesse o site da Policia Federal CLICANDO AQUI;

2– Preencha todos os campos com as suas informações pessoais. Os campos que não estão marcados com um asterisco “*” não são obrigatórios mas é sempre bom preencher com o máximo de informações possível. Os campos relacionados a “Nomes Anteriores” só devem ser preenchidos caso você tenha alterado seu nome devido a uma decisão judicial ou casamento. Depois de tudo preenchido, clique em “Próximo”.

Figura001

 

3- Os próximos dados que você deverá preencher serão encontrados nos seus documentos. Os campos relacionados a “Certidão” devem ser preenchidos apenas se o seu nome já foi alterado ou por menores de 12 anos. Depois de preencher tudo, clique em “Próximo”

Figura002

 

4- Agora você deverá informar alguns dados complementares como profissão e endereço. Preste bastante atenção ao preencher o seu endereço. É importante que ele esteja cadastrado corretamente. Depois de tudo preenchido, clique em “Próximo” novamente.

Figura003

5- Chegamos ao último passo. Aqui você deverá informar em qual posto da Policia Federal você gostaria de ser atendido. Não existem postos de atendimento em todas as cidades do Brasil. Caso a sua não esteja na lista, procure a mais próxima de você. Depois de tudo preenchido, clique em “Enviar”.

Figura004

Prontinho! Agora o sistema irá gerar a sua GRU. Você deverá imprimi-la e pagar em qualquer agência bancária ou casa lotérica. Depois disso, é só voltar ao site da Policia Federal para fazer o seu agendamento.

 

 

 

Encontrou algum erro ou gostaria de acrescentar alguma informação importante à este post?! Envie suas sugestões para contato@dublinaquivoueu.com

Certidão de Quitação Eleitoral

Ao tirar o seu Passaporte você deverá apresentar juntamente com o seu Título de Eleitor um comprovante de votação das últimas eleições… Aquele papelzinho que recebemos logo depois de votar. Como muitas pessoas perdem esse papelzinho, a alternativa é solicitar uma Certidão de Quitação Eleitoral ao Tribunal Superior Eleitoral. Essa não é uma tarefa difícil. Você consegue solicitar essa certidão on-line e ela é gerada imediatamente. Segue abaixo um passo-a-passo para te ajudar a solicitar a sua.

1- Acesse o site do Tribunal Superior Eleitoral CLICANDO AQUI;

2- Marque a caixinha indicando que você leu todos os termos e deseja emitir uma certidão e clique no botão “Emissão de Certidão”;

Figura001

3- Preencha todos os seus dados corretamente. Os campos “Nome do pai” e “Nome da mãe” devem ser preenchidos exatamente como consta na sua Cédula de Identidade. Caso não conste o nome de algum, apenas marque a caixinha “Não consta/Em branco”.

Figura002

4- Se você informou todos os dados corretamente, você já terá a sua certidão em sua tela. Basta imprimir (de preferência colorido) e anexar junto com todos os outros documentos que você precisará levar à Policia Federal.

 

 

 

Encontrou algum erro ou gostaria de acrescentar alguma informação importante à este post?! Envie suas sugestões para contato@dublinaquivoueu.com